OTACÍLIO COSTA, PALMEIRA E REGIÃO | ASSINE & ANUNCIE

BRD-0006-17L-PLANEJAMENTO-WEB-BANNER-ROTATIVO-728X90PX-(3).gif
ECONOMIA

País não pode ficar refém da crise, afirma presidente da Fiesc

19 Maio 2017 13:12:14

Em painel na Jornada Inovação e Competitividade, Glauco Côrte disse que o Brasil precisa continuar trabalhando

Adjori/SC por CO
Foto: Marcos Quint
O Presidente da Fiesc, Glauco Corte.

"Não podemos ficar refém das incertezas e das turbulências causadas pela crise política e ética que parece não ter fim. Pelo contrário, temos que continuar trabalhando duro como é da natureza do setor produtivo do bem e apoiar o Congresso Nacional em relação às reformas estruturais que visam organizar o País, promovendo investimentos e geração de empregos. O Brasil das pessoas do bem é maior do que a crise", afirmou o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), Glauco José Côrte, durante a abertura do painel sobre negociações internacionais, na Jornada Inovação e Competitividade da Indústria Catarinense, que a entidade realiza de 17 a 19, em Florianópolis. 

Em sua palestra, a assessora sênior do diretor-geral da OMC, Tatiana Lacerda Prazeres, destacou as principais ações em debate na agenda da Organização e disse que estão em curso discussões para aumentar a participação das pequenas empresas no comércio internacional. Também citou o acordo de facilitação de comércio, que entrou em vigor recentemente, e trata da simplificação de procedimentos aduaneiros. O acordo foi adotado pelos 164 países membros da OMC, que representam 98% do comércio mundial. "A associação de tempo e custo é fundamental para o exportador. A harmonização de procedimentos é algo realmente muito importante. Todos os esforços em nível global para simplificação de procedimentos são valiosos", ressaltou Tatiana, lembrando que a expectativa é de redução de 14,3% dos custos médios das operações comerciais.  

A especialista da OMC disse ainda que a estimativa é que o comércio mundial aumente 2,4% em 2017. As expectativas são de retomada do crescimento ainda que a ritmos mais modestos e não a taxas vistas antes do período pré-crise, quando chegaram a crescer 5% por um período. "Há incertezas de natureza política e não há clareza absoluta em relação à política comercial dos Estados Unidos", concluiu.

O diretor de desenvolvimento industrial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Carlos Eduardo Abijaodi, disse que o Brasil precisa ampliar sua capacidade de exportação e de acessar novos mercados através de acordos comerciais, que hoje estão trazendo no seu bojo uma série de outros temas. "Não só tarifas, mas pontos importantes como barreiras não-tarifárias, compras governamentais e investimentos. Temas que podem trazer mais vantagens para o Brasil do que simplesmente a redução de tarifas", avaliou.

Em relação ao acordo Mercosul-União Europeia, que está há 15 anos em negociação, Abijaodi disse que é preciso aproveitar a visão estratégica que Brasil e Argentina têm em relação ao comércio exterior para concluir as negociações. "A situação do mercado internacional não é tão demandante. Tem suas restrições, ainda causadas pela crise de 2008, mas, mesmo assim, o Brasil tem que começar a trabalhar para concluir esse acordo", afirmou. O diretor da CNI destacou ainda que o Brasil tem negociado acordo com o México, concluiu com o Peru, mas precisa negociar com a Colômbia e ampliar as negociações com o Chile. Ele ressaltou que há países que estão demandando ao Brasil um acordo, como é o caso do EFTA (European Free Trade Association), área de livre comércio formada pela Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein.

"A indústria tem que mostrar sua capacidade. O Brasil esteve fechado por muitos anos e é o momento de ocupar o espaço que o país tem direito pelo seu potencial industrial. Não existe dúvida que o comércio internacional é muito importante para a indústria", concluiu Carlos Eduardo. Veja abaixo as prioridades da Agenda Internacional da Indústria 2017, documento lançado recentemente pela CNI.

O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Abrão Miguel Árabe Neto, salientou que o Brasil não tem acordos de investimentos em vigor, mas o governo tem buscado mudar esse quadro e está trabalhando em negociações que vão além das tarifas e incluem serviços, investimentos e compras governamentais. Inclusive o Mercosul permite que o Brasil faça a negociação individual de termos não-tarifários. Nos últimos dois anos o Brasil concluiu negociações com 14 países.

"O Brasil tem uma rede importante de acordos comerciais, mas ainda relativamente concentrada na América Latina e em tarifas. Temos buscado a diversificação dos parceiros comerciais e a ampliação temática dos acordos", afirmou Abrão. Segundo ele, o próprio Mercosul recentemente voltou a ter discussões comerciais importantes. No segundo semestre o Brasil vai exercer a presidência do bloco. "Isso aumenta a responsabilidade do Brasil em fazer entregas efetivas", declarou, lembrando que está em negociação a discussão de acordo de compras governamentais.



Veja mais sobre Economia


26 Setembro 2017 08:38:00

Falta de informação para o cidadão, ineficiência no fluxo dos processos e problemas na gestão dos servidores públicos são alguns dos problemas

Autor: Agência ADJORI de Jornalismo

25 Setembro 2017 16:14:00

Autor: Catarinas Comunicação por CO

19 Setembro 2017 11:30:00

Governador esteve reunido com o Ministro da fazenda, Henrique Meirelles, que foi convidado para proferir uma palestra em Florianópolis.

Autor: Secom por CO

11 Setembro 2017 10:15:08

Na audiência foram comunicadas as regras e o calendário para que as famílias atingidas pela enchente do início de junho possam ter acesso ao benefício, concretizado junto ao Governo Federal.

Autor: Correio Otaciliense / CO

24 Agosto 2017 13:10:32
Autor: Secom por CO

30 Julho 2017 11:56:49

Medida está sendo implementada após ampla discussão envolvendo a Secretaria da Agricultura, Epagri, Cidasc e representantes do setor produtivo no Estado.

Autor: Secom por CO

27 Julho 2017 10:49:14

Em um Mês, governo catarinense injetou R4 2,35 bilhões na economia do Estado.

Autor: Secom por CO

24 Julho 2017 14:51:00
Autor: Robson Ribeiro / CO

18 Julho 2017 10:13:19
Autor: Secom por CO

18 Julho 2017 09:44:45

Números representam situação mais favorável em relação ao mesmo período do ano passado, quando o saldo acumulado foi negativo em mais de 7 mil vagas.

Autor: Secom por CO

12 Julho 2017 12:48:26
Autor: Secom por CO

06 Julho 2017 19:36:27

Pela primeira vez recebendo o 1% integral previsto em lei, municípios recebem os valores já nesta sexta-feira, 7.

Autor: Fecam - c/ edição CO

06 Julho 2017 16:14:30
Autor: Secom por CO

28 Junho 2017 11:09:00

As 265 cooperativas de SC reúnem mais de 2 milhões de associados, mantêm 58 mil empregos diretos e faturam mais de R$ 31,5 bilhões por ano

Autor: Agência Adjori de Jornalismo

26 Junho 2017 11:28:02

O ato aconteceu na manhã de segunda-feira, 19.

Autor: Robson Ribeiro/ CO

23 Junho 2017 17:23:21

Produção catarinense atingiu marca história de 2,4 milhões de toneladas, 13,4% a mais que 2016.

Autor: Secom por CO



correiootaciliense




Brasileirão - Série A

Logo_CO_rodape.png


Endereço: Rua Aristeu Andrioli, 592 - B. Pinheiros - Otacílio Costa - SC
Email: correiootaciliense@gmail.com
Telefone: (49) 3275 0857

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio Otaciliense