ivc.png

DECISÃO JUDICIAL

Mais de 125 anos de prisão para organização criminosa que adulterava leite

01 Agosto 2018 13:31:00

Os 16 réus, ligados à empresa Laticínios Mondaí, adicionavam produtos químicos perigosos para disfarçar má qualidade do leite e foram investigados pelo GAECO na Operação Leite Adulterado II.

MPSC por CO
Foto: Divulgação/internet

Foram condenados os 16 integrantes de uma organização criminosa de Mondaí especializada na adulteração de leite bovino denunciada pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) após investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) na Operação Leite Adulterado II, em 2014.

Os 16 réus foram denunciados pela Promotoria de Justiça da Comarca de Mondaí e condenados pelos crimes de organização criminosa, adulteração de alimento, falsidade ideológica ou crimes contra o consumidor, de acordo com a participação de cada um deles. As penas, se somadas, ultrapassam os 125 anos de prisão. As maiores penas foram aplicadas aos chefes da organização e sócios-proprietários da empresa: 16 anos e um mês de reclusão em regime inicial fechado para cada um.

Na ação, o Promotor de Justiça Fabrício Pinto Weiblen, que na época respondia pela Promotoria de Justiça de Mondaí, demonstrou que cada um dos denunciados tinha uma função específica na estrutura ordenada da organização: enquanto integrantes hierarquicamente superiores coordenavam e determinavam e determinavam as atividades realizadas, gerentes e intermediários eram responsáveis por dirigir as práticas ilícitas que eram executadas pelos laboratoristas das plataformas.

Por seis meses o Ministério Público investigou, na Operação Leite Adulterado II, as atividades da empresa e verificou que, durante pelo menos seis anos, o leite destinado ao consumidor era adulterado, com a adição de produtos químicos ilícitos. Durante esse período, cerca de 400 mil litros de leite passavam pela empresa diariamente, em grande parte com adição de substâncias nocivas e proibidas.

O objetivo era mascarar a má qualidade do leite e dar maior durabilidade ao produto, prevenindo a ocorrência do leite ácido, cuja venda é proibida. Para aumentar a durabilidade, eram adicionados estabilizantes impróprios para o consumo, tais como soda cáustica e água oxigenada.

A organização criminosa

O comando da organização criminosa era exercido pelos sócios-proprietários da Laticínios Mondaí, Irineu Otto Bornhold e Vilson Claudenir Jesuíno Freire. Logo abaixo dos dois estava o gerente-geral Alexandre Pohlmann, principal diretor da organização. Era ele quem repassava as orientações dos proprietários para outras chefias intermediárias ou diretamente aos executores das tarefas.

Em seguida vinham Ricardo Maurício Pereira e Zenair Tonezer, que exerceram o controle da produção em épocas distintas e determinavam as medidas para mascarar a má qualidade e a utilização do leite em produtos próprios, assim como medidas para burlar a fiscalização. Genoir Costacurta, chefe de plataforma, recebia as orientações dos dois ou diretamente de Pohlmann e as repassava para os plataformistas/laboratoristas responsáveis pela execução, além de controlar o estoque de produtos químicos.

Também se reportavam diretamente ao gerente-geral os funcionários André Aires Chiesa, Daniel Borin e Willian Markwardt Arones. O primeiro coordenava a logística das cargas adulteradas a fim de evitar que fossem capturadas pela fiscalzização e, junto com Daniel Borin e Willian, era responsável pelo trânsito dos produtos químicos que ficavam escondidos na fazenda de Irineu até a empresa. 

Por fim, vinham os laboratoristas, responsáveis por adicionar os produtos químicos ao leite. São eles: Cristiano Cecon, Daniel Strieder, Estefan Rodrigues Martins, Odirlei Polís, Sidnei Gaiardo, Marcelo Behling e Alex Junior Faguntes da Rosa.

O Juízo da Vara Única da Comarca de Mondaí reconheceu a autoria dos crimes atribuídos pelo MPSC e condenou os réus. Os réus que receberam penas inferiores a três anos as tiveram substituídas pelas medidas restritivas de direito de prestação de serviços comunitários e pagamento de prestação pecuniária.




Lista da editoria


21 Janeiro 2019 10:22:00

Ocorrências acontecem principalmente em áreas de água doce e sem a presença de guarda-vidas

Autor: Rede Catarinense de Notícias

18 Janeiro 2019 11:13:00

Solenidade foi realizada no Clube dos Oficiais junto ao 1º Batalhão Ferroviário.

Autor: Oneris Lopes por CO

16 Janeiro 2019 14:37:40

Autor: Taina Borges - Assessoria de Imprensa do TJSC - Comarca de Lages

11 Janeiro 2019 10:45:00

Autor: Secom/ SC

03 Janeiro 2019 12:26:36


30 Dezembro 2018 22:12:00

Correspondência foi um dos assuntos mais comentados na última semana e tocou coração de milhares de internautas

Autor: Fonte: Portal Éder Luiz

30 Dezembro 2018 20:40:00

Uggioni completa a equipe do 1º escalão do Governo de Moisés

Autor: Coordenador de Comunicação SC : Ricardo Dias

24 Dezembro 2018 11:30:00

Autor: Robson Ribeiro por CO

21 Dezembro 2018 15:44:50
FESTA NATALINA

Autor: Assessoria de Imprensa por CO

21 Dezembro 2018 15:36:00
PROMOÇÃO NATALINA

Evento acontece na quarta-feira, 26.

Autor: Robson Ribeiro

21 Dezembro 2018 14:39:00

Autor: Elaine Leal

21 Dezembro 2018 14:28:00

Autor: Elaine Leal

20 Dezembro 2018 18:39:00

Autor: Elaine Leal

20 Dezembro 2018 15:59:12

Autor: Correio Otaciliense

20 Dezembro 2018 11:07:47

Autor: Agência Brasil por CO

20 Dezembro 2018 10:48:00
POLÍTICA

Será a terceira vez que Garcia assume a presidência da Alesc.


19 Dezembro 2018 23:53:00

Há vagas para Otacílio Costa e Lages


19 Dezembro 2018 17:01:09

Decisão pode beneficiar diversos presos, como o ex-presidente Lula

Autor: Agência Brasil por CO

19 Dezembro 2018 16:47:00

Autor: Elaine Leal

17 Dezembro 2018 19:07:00
TEMPORAL

Várias residências foram destelhadas no município.






correiootaciliense




Logo_CO_rodape.png
IVC.jpeg

Endereço: Rua Aristeu Andrioli, 592 - B. Pinheiros - Otacílio Costa - SC
Email: correiootaciliense@gmail.com
Telefone: (49) 3275 0857

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio Otaciliense