OTACÍLIO COSTA, PALMEIRA E REGIÃO | ASSINE & ANUNCIE

Alagamentos e enchentes exigem ações para prevenção de doenças

12 Janeiro 2018 14:01:00

DIVE alerta a população e os serviços de saúde para o aumento da possibilidade de transmissão de doenças, como a leptospirose, e de acidentes com animais peçonhentos.

SECOM por CO
Foto: James Tavares/Arquivo Secom

Devido aos altos volumes de chuva registrados em Santa Catarina, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE) da Secretaria de Estado da Saúde (SES) alerta a população e os serviços de saúde para o aumento da possibilidade de transmissão de doenças, como a leptospirose, e de acidentes com animais peçonhentos. O Alerta Epidemiológico e todas as demais informações estão reunidas na página da DIVE.

"Uma das principais ocorrências após as inundações é o aparecimento de casos de leptospirose transmitida aos seres humanos pelo contato com água ou lama contaminadas pela urina de animais como ratos", alerta a gerente da Gerência de Zoonoses da DIVE/SC, Suzana Zeccer. De acordo com ela, os casos de leptospirose costumam aumentar quando as águas ainda estão baixando, ou quando as pessoas retornam às suas residências e fazem a limpeza das casas. Nesse momento, também podem ocorrer acidentes com animais peçonhentos, como serpentes, aranhas e escorpiões, que procuram abrigo em locais secos e costumam invadir as residências.

"Profissionais de saúde, tanto os que atuam em Vigilância Epidemiológica ou Sanitária quanto os da atenção básica, devem estar atentos para um possível aumento no número de casos dos agravos relacionados a estes eventos climáticos, e manterem-se preparados para monitorar regiões atingidas", disse o superintendente de Vigilância em Saúde da SES, médico infectologista Fábio Gaudenzi. O objetivo é determinar as características da área, população atingida, realizar a busca de casos e encaminhamento de suspeitas para unidades de saúde.

Outras doenças frequentes em decorrência de enchentes e alagamentos são as de transmissão respiratórias, principalmente em função da permanência temporária em alojamentos e abrigos, com uma grande quantidade de pessoas convivendo em um mesmo espaço. Podemos citar como exemplos: influenza, meningites, difteria, coqueluche, varicela, tuberculose, entre outras. Também pode haver casos de doenças de transmissão hídrica e alimentar (DTHA), em virtude da contaminação da água das redes públicas de abastecimento. "Como o consumo de água é uma necessidade básica, muitas vezes a população acaba utilizando água contaminada, expondo-se ao risco de diarreia, cólera, febre tifoide, meningites por enterovírus e hepatites A e E", afirma a gerente de Vigilância de Doenças Imunopreveníveis, Imunização e DTHA da DIVE/SC, Vanessa Vieira da Silva.

Medidas de prevenção 

Evite contato com água ou lama de enchentes e não deixe que crianças brinquem no local; 

Use botas e luvas quando trabalhar em áreas com água possivelmente contaminada, como é o caso de alagamentos;

Pessoas que trabalham na limpeza de lama, entulho e esgoto devem usar botas e luvas de borracha para evitar o contato da pele com água e lama contaminadas. Se isso não for possível, usar sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés;

Quando as águas baixam é necessário retirar a lama e desinfetar as casas, sempre se protegendo com luvas e botas. O chão, paredes e objetos devem ser lavados e desinfetados com água sanitária, na proporção de dois copos (400 ml) do produto para um balde de 20 litros de água, deixando agir por 10 minutos; 

Jogue fora alimentos e medicamentos que tiveram contato com a água dos alagamentos;

Lembre-se que serpentes, aranhas e escorpiões podem estar em qualquer lugar da casa, principalmente em locais escuros. Nunca coloque as mãos em buracos ou frestas. Use ferramentas como enxadas, cabos de vassoura e pedaços compridos de madeira para mexer nos móveis. Bata os colchões antes de usar e sacuda cuidadosamente roupas, sapatos, toalhas e lençóis;

Em caso de encontrar animais peçonhentos dentro da residência, afaste-se lentamente, sem assustá-los. E nunca pegue com as mãos animais peçonhentos, mesmo que pareçam estar mortos.

Como agir em caso de mordedura de animais peçonhentos 

O acidentado deve procurar imediatamente um serviço de saúde, para que seja devidamente atendido. O tratamento deve ser sempre administrado por profissional habilitado e, de preferência, em ambiente hospitalar; 

NUNCA se deve chupar o local da picada. Não é possível retirar o veneno do corpo, pois ele é rapidamente absorvido pela corrente sanguínea;

Não amarre o braço ou a perna picada porque isso dificulta a circulação do sangue, podendo produzir necrose ou gangrena;

Não corte o local da picada. Alguns venenos produzem hemorragia e o corte aumentará a perda de sangue.


mais sobre:



Leia Mais


12 Janeiro 2018 14:01:00

DIVE alerta a população e os serviços de saúde para o aumento da possibilidade de transmissão de doenças, como a leptospirose, e de acidentes com animais peçonhentos.

Autor: SECOM por CO

20 Dezembro 2017 00:03:00

No último mês do ano a conscientização, prevenção e combate ao câncer de pele e ao HIV mobilizam o País, os Estados e os Municípios.

Autor: Elaine Leal/ CO

18 Dezembro 2017 11:52:23


27 Novembro 2017 11:30:22
NOVEMBRO AZUL

O medo, o preconceito e, principalmente, a falta de conscientização, são apontados como alguns fatores responsáveis pela baixa procura do exame.

Autor: Robson Ribeiro/CO

10 Novembro 2017 15:58:00

Autor: Correio Otaciliense / CO

09 Novembro 2017 21:30:00

De acordo com dados do Ministério da Saúde, em 2015, 810 crianças de até 14 anos morreram vítimas de sufocação.

Autor: Elaine Leal/ CO

07 Novembro 2017 12:58:55
NOVO NARAS

A iniciativa da Procuradoria Geral do Estado (PGE) busca aprimorar o gerenciamento dos processos judiciais relacionadas à área da Saúde.

Autor: SECOM por CO

01 Novembro 2017 13:33:45

O 'Dia D' da campanha, realizado no último sábado, 21, durante todo o dia, movimentou a UBS Central do município, que recebeu mais de quarenta mulheres.

Autor: Assessoria da prefeitura de Palmeira

30 Outubro 2017 12:47:00

Sífilis: uma epidemia ronda o Brasil

Autor: Elaine Leal/ CO

30 Outubro 2017 10:10:12

Paciente do SUS terá prioridade no transporte público para atendimento médico em outro município.

Autor: Elaine Leal/ CO

23 Outubro 2017 13:17:00
OUTUBRO ROSA

Otacílio Costa e Palmeira tem, atualmente, vinte mulheres em tratamento da doença

Autor: Elaine Leal/ CO

20 Outubro 2017 13:52:00
SAÚDE

Ministério público vai instaurar um inquérito civil e requisitar informações e providências à Prefeitura e a Casan.

Autor: Elaine Leal/ CO

19 Outubro 2017 14:19:00
SAÚDE

O uso de preservativo em todas as relações sexuais é o método mais eficaz de prevenção.

Autor: Elaine Leal/ CO c/ informações SECOM

19 Outubro 2017 12:51:00
INTERDIÇÃO

A presença da PSP na água não representa risco aos banhistas.

Autor: SECOM por CO

11 Outubro 2017 19:33:00
SAÚDE

61 municípios estão infestados com focos do mosquito.

Autor: Elaine Leal/ CO c/ informações SECOM

11 Outubro 2017 14:15:00

Reativar os vínculos é uma das melhores formas de prevenção, diz a psicóloga clínica Helen Schauffert.

Autor: Elaine Leal/ CO

04 Outubro 2017 14:23:00

Os médicos serão recepcionados no Centro de Ciências da Saúde do Esporte em Florianópolis.

Autor: SECOM por CO

03 Outubro 2017 08:53:29

Será lançado um edital para preenchimento das vagas de técnico de enfermagem

Autor: SECOM por CO

29 Setembro 2017 22:05:00

A raiva é uma infecção que, depois do início dos sintomas, possui taxa de mortalidade de praticamente 100%.

Autor: SECOM por CO

14 Setembro 2017 14:44:50

Decisão atende ação civil pública proposta pelo Ministério Público

Autor: Correio Otaciliense



correiootaciliense




Logo_CO_rodape.png


Endereço: Rua Aristeu Andrioli, 592 - B. Pinheiros - Otacílio Costa - SC
Email: correiootaciliense@gmail.com
Telefone: (49) 3275 0857

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio Otaciliense