Siga-nos nas Redes Sociais:


O Problema não é a baleia. É a esperança.

Alisson Magalhães, pastor da Igreja do Nazareno, jornalista e publicitário
em dia com a fé.png

"Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor. O mais destes, porém, é o amor." (1 Coríntios 13:13)

O suicídio mata mais do que homicídios, desastres e doenças como a Aids, segundo a Organização Mundial da Saúde. Entre os jovens, a incidência é maior. Estimativas dão conta que, entre jovens de 15 a 29 anos só acidentes de trânsito superam o suicídio em termos de causas de morte, sendo as mulheres as mais afetadas.

Famílias e autoridades de segurança têm se alarmado e mobilizado, nas últimas semanas, por conta do jogo viral que parece ter virado moda entre os adolescentes de uma geração cada vez mais “fora da casinha”, como se diz por aqui.

Por mais absurda que possa parecer, a ideia de um jogo com 50 desafios, onde o último deles é abrir mão da própria vida pode soar impensável e doentio, algo surreal ou coisa de cinema, mas não. É realidade, e uma realidade cada vez mais próxima. Na busca por “ganhar o jogo”, os adolescentes acabam se livrando da obrigação de continuar vivento, e esse é o alarme.

O Apóstolo Paulo escreveu duas cartas para os cristãos da cidade de Corinto. Na primeira delas, ele gastou um capítulo inteiro, o 13, para refletir e levar aqueles cristãos a uma profunda reflexão sobre a importância do amor.

Porque as pessoas querem se matar quando são jovens? Porque não se sentem amadas e, por isso, não possuem esperança. Quando não se tem esperança, se abre mão de qualquer coisa, até da vida. E as velhas reações contribuem para o pior. Ao invés de buscarmos entender o que tem se passado na mente dos jovens, dizemos que só querem chamar atenção, que é falta de Deus, que é falta de surra. Na verdade, normalmente não é nada disso. Na verdade a raiz de tudo reside no medo. No medo de viver.

Como viver sem amor? Como viver sem aceitação numa época – a adolescência – em que tudo é intenso, tudo é urgente, tudo é caso de vida ou morte? Já pensou em viver num mundo sem amor? Não? Pois é, estamos construindo isso.

Antes que alguém proteste, amar não é prover comida, teto, ou dar tudo que seu filho quer ou acha que precisa. O Amor não se traduz no que damos, o amor se traduz no que fazemos. Verso após verso do capítulo 13, Paulo mostra tantas coisas que o amor pode ser, e nenhuma das vezes o verbo “dar” acompanha a narrativa. Podemos dar tudo para alguém, mas tudo que a pessoa precisa não é do que podemos dar, é do que podemos ser ou fazer para elas.

Paulo termina o capítulo 13 de 1 Coríntios fechando seu poema de amor revelando as âncoras da vida. “Agora, pois, permanecem a Fé, a Esperança e o amor. O maior destes, porém, é o amor” (1 Coríntios 13:13).

Fé, Esperança e Amor. As âncoras da alma. As amarras da vida.

A fé é o que há de mais valioso na vida de um cristão. O autor de Hebreus a define como a certeza de fatos que se esperam, e a convicção de fatos que não se vêem. Jesus disse que tudo é possível ao que crê. Com fé, é possível ser curado, como os cegos de Mateus 9:27-30. Com fé, é possível ser salvo, conforme Marcos 16:16 e, com fé, é possível realizar e superar praticamente qualquer coisa, pois tudo é possível ao que crê.

O contrário da fé é incerteza, e quando a incerteza dirige nossa vida, nossa ansiedade aumenta. Sem fé o homem se torna escravo da realidade. A Fé salva o homem e lhe proporciona milagres. Como é importante ter fé, e a bíblia ensina que a fé vem pelo "ouvir a Palavra de Deus".

O que dizer da esperança. A esperança é o combustível que nos faz caminhar. É a expectativa constante de que as promessas que Deus nos fez serão cumpridas e o nosso alvo, finalmente atingido. A fé nos provê a certeza, a esperança nos dá um alvo. Dependendo de onde estiver nosso alvo, podemos suportar ou não o fardo da caminhada.

A esperança é uma associação entre confiança, expectativa e paciência, enquanto aguardamos que as coisas mudem e, finalmente, encontrem seu rumo. Quando o homem perde esperança, ele perde tudo. É quando perdemos a esperança que abandonamos nossos sonhos, nossos planos, nosso casamento e, em último caso, a própria vida. Sem esperança o homem não tem alvos. A esperança anula a ansiedade excessiva e permite que o homem continue sonhando. Sem esperança o homem desiste de tudo.

E o amor, que é o tronco de onde surgem a Fé e a esperança.

Sem fé, o homem se torna escravo da realidade. Sem Esperança o homem não tem motivos para viver. E sem amor o homem se torna selvagem. A fé nos dá possibilidade de mudar a realidade. A esperança alivia a ansiedade e nos permite continuar sonhando, e o amor é capaz de fazer o homem superar dimensões inimagináveis e se sacrificar pelo bem do outro.

Não culpe a baleia azul pela falta de esperança de nossos jovens. Culpe nosso distanciamento e nossa busca desenfreada pelo dinheiro e pela nossa indiferença, que tem produzido uma geração que não sabe lidar com as próprias emoções e que, por isso, perdem cada vez mais a esperança.

A humanidade precisa de amor. Você precisa de amor. Seu filho precisa de amor. Só assim os jovens podem olhar para o futuro com esperança. Não sabe onde encontrar amor? Olhe pro alto. Deus é amor.

E que o Amor te abençoe,

Pr. Alisson Magalhães




correiootaciliense


Logo_CO_rodape.png

Endereço: Rua Aristeu Andrioli, 592 - B. Pinheiros - Otacílio Costa - SC
Email: correiootaciliense@gmail.com
Telefone: (49) 3275 0857

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio Otaciliense