Siga-nos nas Redes Sociais:

Otaciliense busca qualificar dissertação de mestrado e sai aprovada diretamente para o doutorado

Acadêmica da Udesc alcançou o feito, concedido pela comunidade científica a estudantes que apresentam pesquisas com alta relevância social para a comunidade.

Alisson Magalhães / CO
Foto: Francislaynni/Arquivo pessoal
Maninha, a segunda da esquerda para a direita, com as irmãs e a mãe, Elisete.

Apoio incondicional dos pais e do marido, influência da família e a inspiração proporcionada por cada professor que atravessou seu caminho na vida acadêmica. Estes são os ingredientes de uma receita que ajudou a otaciliense Francislanny Pereira de Jesus, a Maninha, 37 anos, pedagoga, a superar todas as dificuldades impostas pela pandemia para alcançar um feito raro nos estudos na quinta-feira, 16 de dezembro, quando submeteu seu projeto de dissertação para exame de qualificação no programa de Pós-Graduação do Centro de Ciências Humanas e da Educação, da Udesc.

A apresentação é requisito obrigatório para obtenção do grau de mestre em educação, objetivo da pedagoga, que cursou pedagogia por influência da mãe, Elizete, da irmã Adrianny e das tias Ivone, Ilisabete e da prima, Karla. "Queria ter feito curso de psicologia. Tinha 16 anos quando iniciei a faculdade, então por ser muito jovem não tinha certeza de qual formação seguir. Agradeço imensamente aos meus pais, que sempre foram incentivadores na minha profissão. Na época, minha mãe e minha irmã estavam na faculdade também, então era o curso que meus pais tinham condições de pagar. Foram anos difíceis financeiramente. Meus pais diziam que a única herança que poderiam deixar para nós três era a faculdade, os estudos", afirmou Maninha, que afirmou se espelhar na irmã Adrianny, atualmente diretora do CEI Ilda da Silva Velho, e da irmã Danielly, professora de Educação Física. "As considero referência das áreas que atuam e me espelho muito nelas", pontuou.


Francislanni/Arquivo pessoal/Maninha com os pais, Ilisete e Ademar.


Não busco ser a melhor, mas fazer o meu melhor

O incentivo da família deu certo. Oriunda de escola pública, ela se formou em pedagogia em 2004, pela Universidade do Contestado e se especializou em educação especial, com complementação em educação especial na Uniplac, em 2009. Em 2020 ela entrou para o programa de mestrado em educação pela Udesc, e destacou o sentimento de ter alcançado a recomendação. "Um sentimento de muita gratidão, porque é o reconhecimento de muito esforço. Só quem estuda e se dedica sabe o quanto deixamos de fazer muitas coisas. Eu deixei de estar com a família, de estar em jantares, de sair, de estar com meu filho, que ficou muito tempo sem minha presença, porque eu tinha que dar conta dos prazos, dos artigos", revelou.

Maninha também falou sobre a importância de se doar para que os resultados, que são possíveis a todos, aconteçam. "Eu chorei muito. Entrei muito tarde no mestrado, e às vezes nós, que viemos de escola pública, achamos que não vamos conseguir ocupar esses lugares de destaque, porque mestrado é um lugar muito concorrido, foram mais de 800 pessoas quando fiz a seleção. O segredo, de acordo com ela, é dar o melhor. "Eu não fiz a pesquisa para ser aprovada para o doutorado. Eu fiz para fazer algo de qualidade, porque sempre que me envolvo em algo eu busco fazer o meu melhor. Não busco ser a melhor, mas fazer o meu melhor", disse.

A fórmula deu certo. Maninha foi recomendada e aprovada por nada menos que a presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa, professora Dra. Geovana Mendonça Lunardi Mendes, diante de outros doutores que são referência na área da educação especial, direito à educação e educação inclusiva. A quem sonha com os caminhos da vida acadêmica, Maninha deixou um conselho.

"Acho que a gente sempre tem que acreditar nos nossos sonhos. Eu nunca imaginei chegar ao doutorado, porque o trabalho consome a gente e vamos deixando de lado coisas importantes, e nunca é tarde para estudar. Se quisermos, e fazermos nosso melhor, vai acontecer. Não é porque é de escola pública, ou de família humilde, que não chegaremos. O segredo é dar seu melhor. Por isso as coisas sempre aconteceram comigo, porque eu sempre busquei dar meu melhor", finalizou.








WhatsApp Image 2021-04-26 at 08.59.40.jpeg

16133910719710.jpeg

correiootaciliense


Logo_CO_rodape.png
IVC.jpeg

Endereço: Rua Aristeu Andrioli, 592 - B. Pinheiros - Otacílio Costa - SC
Email: correiootaciliense@gmail.com
Telefone: (49) 3275 0857

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Correio Otaciliense